Quantas vezes você já passou por aquele terreno abandonado aí na sua cidade e pensou: “Por que será que isso está aí tão largado sem proveito nenhum?” Como uma pessoa preocupada com questões ambientais, você deve ter esse tipo de pensamento porque entende que o espaço urbano das cidades foi dividido de maneira desorganizada e desigual, privilegiando poucos e excluindo muitos.

Fique sabendo que você não é único: nós aqui na Malungo Art também não entendemos e não nos conformamos com a atenção insuficiente que é dada às áreas das nossas cidades que poderiam ser mais bem aproveitadas.

Aqui nós gostamos do verde e de ver florescer! Por isso, este post vai dar uma dica valiosa pra ajudar você a encontrar espaços onde a cidade não é inimiga do verde; sim! Vamos falar de hortas urbanas.

Terreno baldio em Itapuã, BA

Se você chegou à esta publicação, é porque também deve achar que há alguma coisa muito perversa com o espaço urbano como o conhecemos hoje.

Excludente, ele sempre tende a afastar os mais vulneráveis dos centros, onde estão os maiores níveis de infraestrutura e desenvolvimento humano. Esse processo deliberado de exclusão social favoreceu o loteamento dos cinturões verdes, que antes abasteciam a cidade com alimentos frescos e acabaram sendo transformados em moradia para as populações de baixa renda.

Sem ter uma fonte de distribuição próxima, as hortaliças e frutas precisam vir cada vez de mais longe, o que torna seu preço cada vez mais alto. Além de degradar os espaços, esse tipo de urbanização violenta nos priva de uma coisa fundamental: o contato com a Terra.

Mal sabemos o nome das plantas e frutas que comemos. Sendo sincero, prezado leitor, você sabe diferenciar o coentro da salsinha?

A salsinha está à sua esquerda; o coentro, à direita…

Essa desconexão com o nosso meio ambiente faz com que passemos 3, 4, 5, sei lá quantas horas no trânsito quando há algum feriado, fugindo do caos e degradação que nós mesmos ajudamos a criar todos os dias.

O contato com o verde é uma necessidade humana, fundamental pro nosso bem-estar, e ele não pode ser uma recompensa esporádica no final de um dia de trabalho duro, nem algo que se desfrute apenas nas férias, ou só para aqueles que podem pagar por um dia em um resort, ele precisa ser diário e estar ao alcance de todos ao abrir uma janela.

A grande questão é: Por que fugir para o interior se podemos trazer o interior pra cá?

Embora o assunto “hortas urbanas” já venha sendo bastante discutido nas mídias sociais e de comunicação, foi apenas neste ano de 2021 que a prefeitura da cidade de São Paulo disponibilizou uma plataforma on-line que reúne um conteúdo relevante sobre o desenvolvimento rural sustentável na cidade.

O site Sampa+Rural (deixaremos o link para acesso no final do post) oferece informações sobre a localização das hortas urbanas na cidade, dados dos produtores e produtoras da agricultura familiar, áreas de produção agropecuária, mercados parceiros, turismo, serviço de entrega de orgânicos etc. A plataforma é bastante completa e fácil de navegar e serve como um excelente guia oficial para quem está interessado em colaborar com iniciativas de agricultura familiar e, como bônus, ter uma alimentação melhor através do consumo de alimentos mais frescos, mais baratos e mais saudáveis.

Uma alimentação mais equilibrada a um preço acessível é apenas um dos benefícios que uma horta urbana pode trazer. Se você já teve a oportunidade de visitar uma, deve saber do que eu estou falando: o cheiro do capim ainda molhado, os pássaros, a enorme variedade de abelhas, borboletas, mariposas e tantos outros companheiros de planeta que foram nos abandonando com a urbanização.

Sendo muito prático e deixando de lado idealizações românticas sobre a vida no campo ser melhor do que a na cidade ou a ideia limitada de que somos senhores da natureza e não parte dela: a horta urbana agrada a todos e, do ponto de vista ecológico, econômico e estético, é realmente uma beleza!

Hortas das corujas, São Paulo

Então, caro leitor, não seja para sempre um refém daquele velho e já manjado pé de alface. Vá buscar outras alternativas! Pegue sua sacola de feira e vá encontrar a rúcula, a catalonha, o peixinho, a ora-pro-nóbis, a couve-manteiga e o espinafre em uma horta urbana perto da sua casa.

Ah, e não se esqueça de dar uma passadinha no site e na página do Instagram da Malungo Art pra conhecer as novidades.

Um abraço carinhoso e até a próxima!

Autor: Rafael Santos da Silva, tradutor, revisor e pesquisador nas horas vagas

Link para o Sampa+Rural:
https://sampamaisrural.prefeitura.sp.gov.br/

Crédito das imagens:

Terreno baldio em Itapuã – https://es360.com.br/terrenos-tomados-por-lixo-e-mato-em-itapua/

Salsinha e coentro – https://www.sensacionalista.com.br/2015/08/17/homem-que-sabe-diferenciar-coentro-de-salsinha-e-o-mais-concorrido-nos-apps-de-encontro/

Horta das corujas – https://hortadascorujas.wordpress.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *